Ezequiel Alcantara

Spleen

Spleen

Quando o céu plúmbeo e baixo pesa como tampa
Sobre o espírito exposto aos tédios e aos açoites,
E, ungindo toda a curva do horizonte, estampa
Um dia mais escuro e triste do que as noites.
Charles Baudelaire

Desconfortante este caminhar
Por entre sombras e tristes agruras
Do passado, lembranças escuras
De ânsia terrível a me atormentar.

Vou pisando em cerâmica frienta
Rachada por raízes tão profundas,
Reminiscências, marcas oriundas
De uma realidade então cinzenta.

O sorriso distrai. Emoção falsa
Que disfarsa o que se quer esconder:
Um sentimento sem nenhum prazer,
Uma descompassada e triste valsa.

E os olhos vivem sem brilho, difusos,
Vendo os retalhos que por lá sobraram
Das carícias antigas que alentaram
Sonhos fartos de amor, dóceis… reclusos.

O céu é uma flor cinza morrendo
Com pétalas caíndo sem fulgor,
Assim como meu peito, em dissabor,
Em ébrias ilusões esvaecendo…

Ezequiel Alcântara Soares

Mostrar mais

Ezequiel Alcantara

Olá, sejam bem vindos! Me chamo Ezequiel Alcântara Soares, nasci na cidade de Reriutaba no Ceará, onde me criei e vivi na comunidade de Riacho das Flores até o dia que tive que deixar esse meu "torrão natal" e vir viver em São Gonçalo - RJ. Bem, sou apenas um humilde poeta e cordelista, que desde criança brilha o olhar pela poesia com muito amor. Hoje esse interesse resulta em dois cordéis publicados, vários poemas escritos, onde alguns deles foram classificados em concursos ou publicados em livro, e também tenho alguns textos criados. Este meu carinhoso espaço visa, por excelência, apresentar poesias e textos que tem as aspirações poéticas que enobrecem os sentimentos humanos, e que transcrevem sutilmente as estações do coração.

Artigos relacionados

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: