Fabio Rodrigo

Vachínguiton

Primeiro dia de aula. Entro na sala e me deparo com os olhares atentos de cada um dos alunos. Todos eles são novos na escola e terminaram o primeiro segmento do ensino fundamental em diferentes colégios, porém próximos ao nosso. A escola está situada em uma área periférica e atende a um público que pertence às camadas mais baixas da sociedade. Após uma breve apresentação minha, senti que era o momento de conhecer os alunos. Fui logo perguntando ao que estava na primeira carteira:

‒ Qual seu nome?

Vachínguiton, respondeu ele.

‒ O quê??? Vachínguiton?

‒ Sim. Vachínguiton.

‒ Não. Peraí. Como se escreve seu nome? Soletra pra mim.

‒ Ême de cabeça pra baixo…

‒ Não. Não é ême de cabeça pra baixo. A letra é dábliu.

‒ Isso. A, cê… não… esqueci… é esse. Depois agá…, i…, ene…, gê…, tê…, o… e ene.

‒ Então seu nome é Washington.

‒ Não é. Meu nome é Vachínguiton.

‒ Mas não é essa a pronúncia do seu nome.

‒ Minha mãe sempre me chamou de Vachínguiton.

‒ Ninguém nunca te chamou de Washington?

‒ Acho que minha professora da primeira série me chamou assim uma vez mas aí eu disse que meu nome era Vachínguiton e aí ela sempre me chamou de Vachínguiton.

‒ E seus colegas do colégio? Sempre te chamaram de Vachínguiton?

‒ Sim.

Após conhecer um por um os alunos, fiz a chamada de cada um dos nomes do diário. O Washington era o último da listagem. Só faltava chamá-lo. Na mesma hora, passou pela minha cabeça: serei eu um déspota que exerce arbitrariamente o papel de dizer com autoridade tirânica a absoluta pronúncia da palavra? Terei eu que dizimar um Vachínguiton em nome do poderio Washington? Claro que não. Cedi ao poder autêntico da classe subalterna. Chamei-o de Vachínguiton. Ele prontamente levantou o braço e disse convicto:

‒ Presente!!!

Mostrar mais

Fabio Rodrigo

Fábio Rodrigo é professor de Língua Portuguesa da secretaria de educação do estado do Rio de Janeiro e é doutorando em Língua Portuguesa pela UFRJ. Recentemente adquiriu o título de mestre em Estudos Linguísticos pela UERJ/FFP. Tem se dedicado a escrever crônicas que abordam temas do cotidiano e sua relação com a língua portuguesa e que são publicadas semanalmente no jornal Daki e no portal Entre Poetas e Poesias. Seu primeiro livro, Mixórdia e outras histórias, lançado pela editora Apologia Brasil, é uma coletânea de crônicas publicadas tanto no Daki quanto no portal. Suas crônicas, em sua maioria, são ambientadas no município de São Gonçalo, cidade em que o escritor nasceu e em que trabalha como professor. Como professor de Língua Portuguesa, Fábio Rodrigo procura aproximar o conteúdo das aulas de Português ao dia a dia, e seus textos são o resultado disso.

Artigos relacionados

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: