João Rodrigues

Vestido de cinza

um grito mudo abafou a rua
em vez de tambores, a voz do silêncio
a velha guarda isolou-se em casa
a comissão de frente, sem alegorias nem adereços,
recuou
o mestre-sala e a porta-bandeira estão cuidando
um do outro
nem a madrinha (da bateria) pode visitá-los

o enredo agora é outro
o estandarte é o do medo

os blocos, imóveis, olhas as ruas descoloridas
o carro alegórico ficou na garagem
a linda passista passou desta pra melhor
o puxador de samba
com seu grito estridente
pediu oxigênio, pois faltou-lhe o ar

o diretor de bateria está dirigindo um hospital
com centenas de infectados
a baiana trocou de ala
(agora está na Ala B de um hospital qualquer
sem previsão de sair)
os foliões trocaram a fantasia por máscaras
e a folia vestiu-se de medo e apreensão

na apuração, a TV anunciou milhares de mortes
silenciando todas as Escolas

desta vez não haverá campeã

o carnaval vestiu-se de cinza!!!!

João Rodrigues

Etiquetas
Mostrar mais

João Rodrigues

Nascido em Riacho das Flores, Reriutaba-Ceará, João Rodrigues é graduado em Letras e pós-graduado em Língua Portuguesa pela Universidade Estácio de Sá – RJ, professor, revisor, cordelista, poeta e membro da Academia Ipuense de Letras, Ciências e Artes e da Academia Virtual de Letras António Aleixo. Escreve cordéis sobre super-heróis para o Núcleo de Pesquisa em Quadrinhos (NuPeQ) na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: