Michelle Carvalho

Amor além do Carnaval

Em pleno carnaval

Seja hoje ou ontem

Os sorrisos são diversos

Com lembranças ou presenças

Em alegrias expressas!

Com confete e serpentina

Seja menino ou menina

Descansando ou pulando

O que importa é o que faz viver!

Não importa o que veio antes

A felicidade está no sorriso de hoje

Que ilumina o rosto pintado de purpurina

E explode o coração que ama a folia!

                              (Michelle Carvalho)

Olhando nossas fotos, parece tudo tão estranho… um ano distantes, mas nas imagens paralisadas do passado parecemos tão felizes… teu sorriso era tão espontâneo, tão alegre… reflexo de uma radiante compulsão a viver mais e mais nossa estória de amor…

Hoje teu sorriso é tão diferente, malicioso, tendencioso a algo distorcido à nossa antiga realidade…

Estou a recordar… nossas literais “estórias de outros carnavais…” parece clichê falar isso, mas… Nossa! Quantas coisas boas, hilárias! Idéias conjuntas, satisfação em nos divertirmos juntos a cada dia de folia… Fantasias… uma para cada dia… a expectativa das pessoas em nossas “alegorias”… o “casal carnaval”!

Mas esse ano em particular a vontade carnavalesca se apagou de mim. Eu, folia convicta, não quero fantasias, apenas desejo uma máscara para meu rosto, máscara que esconda meu semblante, minha alma enegrecida, tentar esconder do mundo o que estou sentindo, porque de mim não há mais esconderijo, não há mais como fugir.

Penso em quantas vezes queria sair da minha cidade, passar o feriadão na praia, em outros lugares… mas agora, queria com todas as minhas forças permanecer em meu lugar, na minha cidade onde tanto nos divertimos, onde fomos felizes… mas estou tolhida disto, não posso, não dá! Não conseguiria ver tua alegria, tua euforia, teu desprendimento a nossas lembranças, a nosso passado, tua disponibilidade e devaneios com tantas outras garotas e eu, compadecendo em dores, sofrendo, estilhaçada por dentro, encarando o terror da minha realidade… tu não me queres, não me desejas… já me humilhou, me maltratou… agora sou indiferente para ti e imagino que caso viéssemos a nos encontrar no carnaval, não irias ter a mínima consideração comigo nem me daria nova chance de relembrarmos nossa anterior felicidade, se é que ainda lembras que já estivemos juntos um dia, que já pensamos dividir a vida, que já foste minha vida…

A vontade de desistir de tudo ronda-me a cada dia… minha bipolaridade contorce-se em mim fazendo-me sorrir e chorar em uma facilidade imensa, muito mais chorar que sorrir… tudo é muito intenso e perceber que tu preferes esta vida que levas agora a estar comigo deixa-me ainda pior… Sei que antes tu já não gostavas de estar comigo… mas eu adorava estar contigo!!!

Sinto-me presa e livre… livre porque não preciso preocupar-me se vais apreciar ou não minha conduta, se vais ou não me acompanhar em dito lugar ou festa, se terei de ir sozinha ao cinema, teatro, se lerei um livro e não irás querer ouvir-me falar de citações, de dança ou de música, contudo o que fazer com tanta liberdade se na grande maioria das vezes paro e questiono-me “onde posso ir?”, “o que eu faço agora?”. Muitas dessas respostas são minha cama e um longo sono, ainda não é o meu momento… presa porque não posso ir à praça de minha cidade, não posso caminhar livremente nos “meus lugares”… não vou a igreja nos horários em que posso lhe ver, o receio de encontrar-lhe e magoar-me são imensos daí entrego-me ao medo, somente saio e freqüento lugares onde sei não lhe encontrar… uma verdadeira fuga do impacto, das imagens péssimas que assolam meus pensamentos, fuga da mágoa, fuga do pesar de estar sofrendo, fuga da raiva que senti e sinto ao relembrar-me do que fez.

Sei que também não deixei de cometer meus erros e não me esquivo disso, sei que não sou santa, sou livre, mas quero uma resposta, um sinal… Não lhe entendo! Eu largaria tudo, toda minha independência, trocaria minha invisível liberdade por um sinal teu de que poderíamos ser felizes sem medo, sem máscaras… com fantasias, com alegria, com o toque de olhares, com a pele que arde de paixão ao encontrar-se com a tua, com carícias que me encantavam… quero muito teu abraço novamente… tira de mim esse sentimento mórbido… não há esperança? Só dor? Não suporto mais!!! 

A noite me traz uma sensação absurda de solidão, o lamento, o choro e o pedir a Deus para me aliviar…Não quero me acostumar com a tristeza, tenho tentado, eu juro! Ta muito difícil, quero aceitar, não sentir mais nada, quero minha vida normal, poder sair de casa sem máscaras, sem armaduras nem medo! Choro até adormecer, rezando, pedindo forças para a alma porque o corpo padece. Com a manhã chegando vejo a oportunidade de uma nova vida, de esperança… mas que se esvai no primeiro pensamento em que tu estás.

Queria arduamente nossos carnavais novamente, em nossa cidade, confetes, serpentinas, e nós contentes, coloridos, irradiando satisfação por estarmos juntos unidos por um amor verdadeiro que tudo crê, tudo espera, tudo suporta. Seria este um futuro próximo para nós? Superaremos tudo o que nos aconteceu? Perdoar-nos-emos um dia? A paz reinará novamente em minha vida? Ficaremos juntos novamente para completarmos as prometidas “bodas de diamante”?

A reposta para estes questionamentos, segundo tuas próprias palavras é: “sem chances!”

Não suporto mais tudo isso, todo esse fardo… um abraço teu e tudo muda, traz-me sorriso ao rosto, revigora meu ser… vem mudar minha vida, devolver-me a alegria de viver, as cores da alma!!!

Se não for pedir demais, coloca tua fantasia, procure-me, beije-me e cure-me provando que nosso amor é forte para tudo suportar.

                                                                               (Texto de Michelle Carvalho do ano de 2008)

 

Etiquetas
Mostrar mais

Michelle Carvalho

Biografia: Advogada, Escritora desde os 13 anos, com participação em inúmeras antologias literárias e premiações no Rio de Janeiro e em São Paulo. Ganhadora do Premio Baixada de Literatura em 2014. Lançou 4 livros: “Furor Letárgico da Alma” (2009), “Versos de Princesa Prometida” (2015 – na 17ª Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro) e “Cindy Entre Patas e Reinos” (2018) e Cindy Entre Patas e Reinos 2 (2019 – 19ª Bienal Internacional do do Livro do Rio de Janeiro) , estes dois últimos projetos de leitura na Cidade das Artes/RJ, em várias escolas nacionais e internacionais. Além de diversas participações em projetos culturais literários em escolas com palestras motivacionais, intervenções literárias e poéticas em saraus, sendo o último deles o Programão Carioca da Rede Globo no ano de 2018, Participação na FLIM e FLISGO no ano de 2019, bem como posse na ACLAM – Academia de Ciências, Letras e Artes de Magé.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: