Altamir Lopes

Vivenda Adolescente

Parte 1 – Anos 80, Flash

 

Saber voar como um super-herói.

Ficar invisível.

Ter poderes telecinéticos.

Ter superforça.

Ser indestrutível.

Aaah, quantas idéias fantásticas se entrelaçavam na cabecinha juvenil de nosso pequeno herói. Daniel, o nome dele. Danizinho, o chamavam. Ele não gostava muito, mas fazer o quê? Estava acostumado. Pardo, Cabelo crespo, nariz tipo batatinha, franzino, meio tímido, meio bobo. Muito inteligente, vivia pensativo. Amava juntar cacos e pedaços de qualquer coisa e criar seus próprios brinquedos. Vivia sonhando que sabia voar e quase sempre acordava assustado e extasiado com sonhos nos quais ele era tipo um super-homem, mas que sempre acabava perdendo seu poder de vôo. Suor no rosto. Queda livre.

O perído, meados dos anos 80, reservava os respingos da geração de 60 e 70 ao mesmo tempo que começara a embrionar lentamente uma geração que moveria e removeria conceitos nunca antes sequer imaginados pelas gerações anteriores. Época boa. Ou não, sei lá…

Nosso protagonista, no início da adolescência, experimentaria nessa altura – a aurora de sua vida – o que haveria de ser considerada pelas gerações posteriores como uma espécie de derradeira manifestação premilenarista no que tange a cultura pop, as artes, as descobertas e redescobertas… lá na frente, a internet e o domínio das redes logo ainda iriam mudar o cenário…mais ainda.

Mas adolescente é adolescente. Não importa a linha do tempo. Mesmos questionamentos, mesmas indecisões, mesmos caminhos, mesmas angústias. Só muda o endereço. E o Tempo.

Daniel cresceu acostumado a assistir o mundo em preto e branco. Que baita mudança quando a primeira TV em cores chegou em sua casa. Ele tinha uns dez anos. O mundo era colorido, cara. Ele não sabia! Não, não era preto e branco.  E não havia seletor de canal na televisão (Seletor esse que o papai do Danizinho tinha um cuidado quase cirúrgico e sacramentado para girar e trocar de canal, senão  “estragava o seletor” – dizia o paternal ) e no seu lugar, somente práticos botões que sintonizavam o canal escolhido de uma forma tão rápida e objetiva que ele nem acreditava.  E a caixa do aparelho era de plástico. Imagina: Plástico. Nada de madeira aglomerada para ficar se desfazendo e sujando a casa. Incrível como aquela cor preta e cantos arredondados o faziam sentir-se no futuro.

Mas a velha TV preto e branco de 20 polegadas e caixa de madeira ainda funcionava. E, como um prêmio, foi colocada no quarto do nosso herói. Tá certo, a colorida era bem melhor, mas a colorida ficava na pequena e humilde salinha, pra família toda assistir. Se Danizinho  quisesse assistir algo diferente no mesmo horário, ia pro quarto. Privilégio.

E não é que num desses momentos de gozo juvenil pela exclusividade solitária diante de uma tela de TV, que ele depara com cenas de um filme de viagem no tempo? Rapaz, a vontade de ver o filme em cores poderia ser satisfeita com alguns passos até a sala, mas o fascínio pela viagem no tempo não deixava ele pular da cama. Nem nos intervalos. Viu o filme todo em em tons de cinza. Mas o enredo o encantou.

Tá, ta certo que mais tarde, quando ele  já se tornara um adolescente quase adulto, ele acabou vendo esse mesmo filme mais de um milhão de vezes. E colorido, claro. ”Caraca… o que eu faria se eu pudesse viajar no tempo?” – Pensava ele. Ele olha e pensa no passado. Olha pro presente. Descobre que o futuro o consome a cada instante. Muito rápido. É um flash. Fins dos anos 70, Início dos anos 90…

…continua.

Etiquetas
Mostrar mais

Altamir Lopes

Graduado em Gestão de Negócios, MBA em Gestão de Recursos Humanos, Orientador Educacional e de Carreira, Licenciando em Psicopedagogia e Pós-graduando em Neuropsicopedagogia. Desenhista Publicitário, Poeta, escritor, Instrutor gerencial e palestrante. Mas acima de tudo, um servo do Deus vivente Jeová, Pai, marido e ser humano reflexivo. Na coluna que leva o meu nome, vamos nos encontrar para refletir sobre a arte da gestão de pessoas e relacionamentos. Falaremos sobre a sociedade humana e seus meandros paradoxais e especialmente, a relação que cada um tem consigo mesmo por meio de textos em verso, prosa, crônicas, contos ets. Escrevo também para a coluna Resultados Humanos, onde trarei casos e matérias relacionadas a atividade humana - individuais ou em grupos - que geram reações na sociedade. E também publicarei na coluna Notícias, material de reportagem ou artigos da atualidade. De vez em quando, em quais dessas colunas, vou publicar uma charge ou caricatura autoral...Espero que gostem.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: