Carina Lessa

O pulmão do mundo

 

“Você já foi selvagem aqui uma vez. Não deixe que eles te domem.” – Isadora Duncan

                Muitos diriam que Manaus está pronta para partir. A ferida esteve exposta durante séculos, décadas e o espetáculo finalmente fora aberto ao grande público. As cortinas pareciam fechadas e só se escutavam os ruídos. Agora, os passos ficaram apressados, é preciso respirar. Estão sufocados com as cortinas abertas? De repente o ar faltou não só aos brasileiros, mas também ao mundo todo. Necessidade de respiração artificial. A natureza cospe seres humanos. Cospe sem se preocupar com os respingos, pega primeiro em quem estiver por perto.

Respiradores, respiradores, rápido!

Mas quem esqueceu os respiradores?

– São muitos, são muitos… caiu no meu corpo. Não sei se limpo, se ignoro ou se há algum a abraçar primeiro.

Um homem, muito tranquilamente, declara:

– Respingaram no meu colo e eu não sei o que fazer.

Passa a mão com indiferença, sem olhar para si mesmo. Empasta a mão, esfrega na roupa suja e continua a cochilar.

A quem interessa os respiradores?

O rio Negro, a sétima arte em riquezas afluentes do mundo, passa indiferente. Reconhece o curso inevitável da vida e respira as palavras que nunca são as mesmas.

Entre os homens, reconstroem-se as reflexões visionárias de Mello Moraes Filho em Pátria Selvagem:

– O vale do Amazonas é o Josaphat das nações indígenas. Ali chegaram elas para morrer e lutam para viver. Diante da antropologia, como do anjo do juízo final, levantam-se as gerações mortas;  e da reunião dos ossos, do colorido dos tegumentos, dos mitos, instituições e costumes, restaurar-se-á o grande exemplar das tribos, quase apagado pela natureza como uma palavra mal escrita que abre lugar à outra mais perfeita.

As peles escorreram. O corpo do homem perdeu o invólucro. Escancararam-se as feridas da Humanidade.

Em dança livre, cabelos e roupas esvoaçantes, pés descalços, a natureza impõe a necessidade de respirar. Wagner parece enunciar o concurso de canto aos pés do monte de Vênus.

Respiradores artificiais são o grito de misericórdia dos homens apátridas.

Heine inicia:

“Vocês, bons cristãos, não permitam que
o ardil de Satanás os enrede!
Eu canto a canção de Tannhauser para você,
Para alertar suas almas.”

Estou ficando sem ar. Vocês respiram?

Brincaram. Riram demais. Queriam lágrimas? Os espinhos ficaram afiados. São os vossos?

A cabeça sangra e uma rosa prefere nascer no asfalto.

 

Mostrar mais

Carina Lessa

É romancista, ensaísta, crítica literária e doutora em Literatura Brasileira pela UFRJ. Atua como professora de graduação e pós-graduação nos cursos de Letras, Pedagogia e Relações Internacionais da Unesa. É membro da Associação de Linguística Aplicada do Brasil.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: