VOCÊ ESCRITOR!

Você, Escritor! – Poema: “O Mangue e a Lua” – Fernando Pinto Neves

O Mangue e a Lua

(Por Fernando Pinto Neves)

 

A maré sobe…

Trazendo esperanças; renovação e vitalidade, fortalecendo o espírito e acalentando a alma. Oxigênio. Ao encher os pulmões de ar, permitindo assim mergulhar nos mistérios do fundo do mar

A maré sobe…

Orientada pela mãe da lua, nas noites prateadas refletindo o seu brilho através do meu espelho d´água; controlando delicadamente o seu ir e vir. Levando sonhos, trazendo esperanças. A maré é vida:

Vida que segue, vida que vai e que vem,   vida em um ciclo, o ciclo de vital, através do ciclo de maré. Fiel a lua, deslumbrada com suas aparições. Definindo sua intensidade, sua amplitude e consequentemente sua força; se alternando como a vida. Trazendo novidades, deixando saudades.

Enchendo nossa alma de lembranças, alma muitas vezes cansada, esgotada e até estagnada;

“Na virada da maré”;

A direção muda, trocamos experiências e aprendemos com os erros. Viramos a página. A amada lua brilhante é inspiradora e instiga minha vida inteira, entremeia as milhas raízes com equilibrando necessário em terreno inóspito assim como a vida. Permitindo refúgio, berçário e resiliência. Ambiente solitário e solidário. Depreciado e muitas vezes marginalizado sempre em transição; incompreensão. Transitando da vida concreta e sólida para uma vida mais fluida e arredia de incertezas, reivindicando meu lugar dia a cada dia, sendo a lua minha principal aliada. Me mantem vivo até o final.

Sou um bosque de manguezal.

 

Fernando Pinto Neves é Biólogo e defensor do manguezal. Decidiu expressar sua poesia sobre a Ilha de Itaoca, lugar há tempos esquecido pelos governos que administraram o município de São Gonçalo, RJ.

Etiquetas
Mostrar mais

Erick Bernardes

A mesmice e a previsibilidade cotidiana estão na contramão do prazer de viver. Acredito que a rotina do homem moderno é a causadora do tédio. Por isso, sugiro que façamos algo novo sempre que pudermos: é bom surpreendermos alguém ou até presentearmos a nós mesmos com a atitude inesperada da leitura descompromissada. Importa (ao meu ver) sentirmos o gosto de “ser”; pormos uma pitadinha de sabor literário no tempero da nossa existência. Que tal uma poesia, um conto ou um romance? É esse o meu propósito, o saber por meio do sabor de que a literatura é capaz proporcionar. Como professor, escritor e palestrante tenho me dedicado a divulgar a cultura e a arte. Sou Mestre em Letras pela Faculdade de Formação de Professores da UERJ e componho para a Revista Entre Poetas e Poesias — e cujo objetivo é disseminar a arte pelo Brasil. Escrevo para o Jornal Daki: a notícia que interessa, sob a proposta de resgatar a memória da cidade sob a forma de crônicas literárias recheadas de aspectos poéticos. Além disso, tenho me dedicado com afinco a palestrar nas escolas e eventos culturais sobre o meu livro Panapaná: contos sombrios e o livro Cambada: crônicas de papa-goiabas, cujos textos buscam recontar o passado recente de forma quase fabular, valendo-me da ótica do entretenimento ficcional. Mergulhe no universo da leitura, leia as muitas histórias curiosas e divertidas escritas especialmente para você. Para quem queira entrar em contato comigo: ergalharti@hotmail.com e site: https://escritorerick.weebly.com/ ou meu celular\whatsapp: 98571-9114.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: