Desabafos & DiscussõesLuiza Moura

A fala: Ocupação do espaço vital

A relação entre falar e escutar está intimamente ligada. Ambas ocupam espaços vitais, por entrelaçarem os pontos decisivos da comunicação. Quando falamos, inscrevemos no outro nossas percepções, sentimentos e atitudes. Ao ouvirmos, direcionamos a atenção para o que é significante na fala, e logo em seguida a devolvemos. Assim o que é produzido no campo da linguagem abre as portas para o afeto, de maneira que, ocupamos lugares, antes estrangeiro, e a partir do primeiro movimento de aproximação passa a ser vital.

O relacionamento interpessoal demonstra o quanto é importante a comunicação para que se torne comum um significado. O emissor (quem fala) ocupa espaço no emaranhado que compõe o receptor (o outro – com quem se fala). Para que a mensagem possa ser representada sem interrupções ou barreiras, fazem-se necessárias as inter-relações, de modo que a conversa seja estreitada a partir de um ambiente propício, que siga a lógica do diálogo e a ética dos encontros.

O espaço vital compreende a inter-subjetividades, o que foge da ideia de um território individualizado, ou melhor, alarga-se até a extremidade que compõe as superfícies do sujeito da conversação, tornando-se vital tocá-lo. É interessante que as informações possam se organizar em volta do foco em questão, o sujeito e seus desdobramentos. A devolução a cada demanda é fundamental para a implicação, de modo a instigar o repertório e os deslocamentos em busca de se perceber melhor diante aos acontecimentos.

Em se tratando do universo discursivo entre a fala e seus possíveis significados, fica notável que apreendemos de formas diferentes, cada qual com seu conhecimento de mundo. Exploramos nossa existência de modo que ocupamos lugares antes estrangeiros, mas por serem vitais, é sentido, o que caracteriza as relações estabelecidas. Constituímo-nos através da linguagem e da cultura, em que veredas possibilitam encontros em linhas da diferença, integrando as partes estranhas do ser a Compreensão.

(Esse texto é de Ualy Castro Matos, que nasceu em 15 de outubro de 1981 e recebeu este nome de seu pai, Leonel Souza Matos, em homenagem ao amigo e poeta baiano Waly Salomão. De antemão, Ualy apresenta o que vem fazendo maior significado na elaboração de seus pensamentos: o encontro com o Poeta Ali Agora, que é denominado como produção instantânea de criar sentidos para a vida. Segundo o autor, “É um lugar de inspiração, que vem no seu tempo certo, em outras palavras, é o próprio acontecimento, portanto não atribui-se a nenhuma pessoa, mas a qualquer um que possa ser movido pela poesia para estar neste espaço temporal”. A sua produção poética, inicia com a publicação do livro artesanal “Melhorescer” (2007), no entanto, vai mais além, através de outros trabalhos autorais, como o CD Espírito Cultural (2010), em parceria com músicos de Vitória da Conquista e região Sudoeste da Bahia, e o audiobook Entreatos e poesia (2018); Organizador e um dos autores do projeto literário e social Cafezin dos poetas (2019); posteriormente lançou o E-book Devires-poéticos (2020) disponibilizado gratuitamente na internet, daí surgiu a parceria com o músico mineiro Lima Júnior, criando o Estação Poesia (2020), um álbum com algumas poesias do Devires-poéticos. Ualy Matos também escreve para a coluna Direito e Arte, do site Empório do Direito, Recanto das Letras e https://themantraom.com.br/artigos/)

Participe também dessa coluna! Envie o seu texto (de desabafo ou reflexão) para o email lmsn_91@hotmail.com ou entre em contato pelo instagram @luiza.moura.ef. A sua voz precisa ser ouvida! Juntos temos mais força! Um grande abraço e sintam-se desde já acolhidos!

Mostrar mais

Luiza Moura

Luiza Moura de Souza Azevedo é Natural de Feira de Santana- BA, Enfermeira, Especialista em Saúde Pública. Psicanalista e Hipnoterapeuta. Mestranda em Psicologia e Intervenções em Saúde. Compositora e Produtora Fonográfica. Com cursos de Francês e Inglês avançados e Espanhol intermediário. Imortal da Academia de Letras do Brasil/Suíça. Acadêmica do Núcleo de Letras e Artes de Buenos Aires. Membro da Luminescence- Academia Francesa de Artes, letras e Cultura. Membro da Literarte- Associação Internacional de Escritores e Artistas. Doutora Honoris Causa em Literatura pelo Centro Sarmathiano de Altos Estudos Filosóficos e Históricos. Publicou o livro: “A pequena Flor-de-Lis, o Beija-flor e o imenso amarElo”. Instagram: @luiza.moura.ef

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: