Erick BernardesHISTÓRIAS DE ARARIBOIA

O Conde do monte e o castelo de Niterói

Série: Histórias de Arariboia

Foto: Carlos Ivan

Há pessoas que já partiram deste mundo há tempos, mas não tardam em aparecer em nossa imaginação. Não, não falo de fantasmas que voltam para nos perturbar o juízo, tais quais as almas penadas das lendas e mitos populares, como o Saci-pererê, que já foi moleque vivo noutras épocas; ou como a Mula sem cabeça das histórias de amor proibido entre padre e moça faceira. Nada disso, de jeito nenhum. Falo sobre o Conde Pereira Carneiro do Castelo da Armação, que me visita na mente, toda vez que atravesso a Ponte.

A lembrança do senhor Ernesto Pereira Carneiro e a sua vida de superimportância não passam ao largo da história fluminense. Lógico, a biografia é boa, trajetória histórica reconhecida, sucessos e beneficências ao longo da carreira de homem de negócio que foi –  e variados elogios da imprensa mundial. Por falar em imprensa, publicaram naquela época (Jornal do Brasil, 1818): “O jornal do Brasil mostra força e recupera sua economia, tornando-se um dos jornais mais lidos da nação”, sob a visão moderna de Pereira Carneiro. Na sequência, o nosso visionário se lança às ajudas humanitárias. Verdade, um higienista, por assim dizer. Ou seja, preocupações sanitárias lhe dominavam doravante. Prova disso é que Pereira Carneiro foi um dos ricos e pioneiros a adotar novos métodos de higiene e “proteção dos seus operários, chegando a construir uma vila que levou seu nome, situada em Niterói, dotada de escolas”, a famosa Villa Pereira Carneiro.

Sua colaboração com as obras sociais da Igreja e a doação de uma substancial quantia de contos de réis, para auxiliar no combate à epidemia da “gripe espanhola” que maltratou o Rio de Janeiro em 1918, fizeram com que o papa Bento XV conferisse ao nosso personagem, no ano seguinte, o título de conde pelo Vaticano. Trata-se um dos membros fundadores da maternidade e do hospital dos tuberculosos da Santa Casa de Misericórdia de Recife. Sim, exatamente, figurão elegante e conde de fato. Há até um casarão com duas torres medievais nomeado de Palacete da Condessa. Um tipo de castelo miniatura. Seria um presente oferecido à esposa transformado em residência familiar? Não sei, ignoro essa e outras informações. Mas de uma coisa estou certo: rico, famoso e gente boa, ao menos o conde era considerado na opinião popular.

Está claro que esses assuntos de filantropia não ficavam só no papel. Além disso, coincidência ou não, o tema nos ter surgido à tona novamente revela somente a importância das pessoas se juntarem no combate às pandemias. Os ricos ajudarem os pobres; o respeito à saúde dos trabalhadores como foco de atenção e tudo isso combina bem. A Covid está aí. O fantasma é outro, mas o Corona mata tanto quanto a centenária Gripe Espanhola. Cadê os donos do capital de agora, onde se enfiaram as boas almas?

Enfim, vive-se ainda a fase das utopias. Busca-se saúde sem investimento, nossos fantasmas são os mesmos aos dos nossos pais, como diria a Elis Regina. Uma pena.

FONTE:

Boletim Min. Trab. (5/36); CÂM. DEP. Deputados; Câm. Dep. seus componentes, CONSULT. MAGALHÃES, B.; Encic. Mirador; GODINHO, V. Constituintes; Grande encic. Delta; HIRSCHOWICZ, E. Contemporâneos (1949); Jornal do Brasil (23 e 24/2/54; 14/4/76; 14 e 20/4/77 e 18/9/80); Tribuna da Imprensa (19/2/54).

Blog bairros.com

Crédito da foto: Carlos Ivan.

 

 

 

Mostrar mais

Erick Bernardes

A mesmice e a previsibilidade cotidiana estão na contramão do prazer de viver. Acredito que a rotina do homem moderno é a causadora do tédio. Por isso, sugiro que façamos algo novo sempre que pudermos: é bom surpreendermos alguém ou até presentearmos a nós mesmos com a atitude inesperada da leitura descompromissada. Importa (ao meu ver) sentirmos o gosto de “ser”; pormos uma pitadinha de sabor literário no tempero da nossa existência. Que tal uma poesia, um conto ou um romance? É esse o meu propósito, o saber por meio do sabor de que a literatura é capaz proporcionar. Como professor, escritor e palestrante tenho me dedicado a divulgar a cultura e a arte. Sou Mestre em Letras pela Faculdade de Formação de Professores da UERJ e componho para a Revista Entre Poetas e Poesias — e cujo objetivo é disseminar a arte pelo Brasil. Escrevo para o Jornal Daki: a notícia que interessa, sob a proposta de resgatar a memória da cidade sob a forma de crônicas literárias recheadas de aspectos poéticos. Além disso, tenho me dedicado com afinco a palestrar nas escolas e eventos culturais sobre o meu livro Panapaná: contos sombrios e o livro Cambada: crônicas de papa-goiabas, cujos textos buscam recontar o passado recente de forma quase fabular, valendo-me da ótica do entretenimento ficcional. Mergulhe no universo da leitura, leia as muitas histórias curiosas e divertidas escritas especialmente para você. Para quem queira entrar em contato comigo: ergalharti@hotmail.com e site: https://escritorerick.weebly.com/ ou meu celular\whatsapp: 98571-9114.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: