Desabafos & DiscussõesLuiza Moura

Quando você se convence do que não convenceu

Por algum tempo achava que o ditado: “A gente é aquilo que faz” uma sabedoria absoluta. Partindo da ideia de que palavras são vazias quando nossas atitudes são incoerentes a elas. Nossa atual cultura se acostumou com memes, frases em terceira pessoa sobre si mesmo, imagens retratando uma vida feliz e satisfatória, porque o ser humano, em sua grande maioria, gosta de demonstrar o sucesso e a felicidade, mesmo quando não tratam sua arrogância, frustração e debilidades. Óbvio que ninguém vai sair escrevendo coisas do tipo: “Eu sou muito arrogante e estou de saco cheio da vida” ou “Eu sou feia e detesto me olhar no espelho”, e nem acho que isso seja necessário. Todas as pessoas tem momentos agradáveis e ruins, mesmo quando focamos apenas na negatividade.

É preciso mostrar?

O desejo de “mostrar” pode trazer uma satisfação pessoal, porém temporária. Muitas pessoas não conseguem acreditar nos seus valores pessoais, ou reconhecer conquistas e fracassos, sem que isso seja mostrado. É como se essa aprovação constante dos que estão de fora fosse um mecanismo que move os sentidos da história da vida de alguém. Por exemplo, eu como escritor, gosto muito dos retornos que os leitores fazem. Porque através dessa aprovação consigo analisar se o meu trabalho está alcançando os objetivos desejados, mas preciso estar aberto da mesma forma às críticas, ainda que sejam duras. E independente se são elogios ou discordâncias, o que vai definir se sou verdadeiramente um escritor é a aceitação de ambas para o meu aprimoramento. Ninguém desiste de quem é, ou aprendeu a disfarçar ou simplesmente nunca foi.

Uma ponte perigosa

As redes sociais, apesar de todos os seus benefícios, acabam se tornando uma bomba para pessoas que não se definem internamente. Acho que a famosa pergunta “Quem sou eu?” nunca pode ser totalmente respondida, pelo fato de estarmos em constantes mudanças, principalmente no que se refere a circunstâncias. Porém, essas pessoas que vivem em função do “mostrar” se convencem de que tudo o que fazem, falam, escrevem e postam são adotados como verdades oficiais do universo. Conheço uma moça que vive em função de fazer intriga na vizinhança em que mora, os vizinhos sabem de sua conduta, mas nas redes sociais o que você encontra é uma personalidade doce, cheia de fé e alegria. Sem deixar de falar das indiretas na intenção de ofender alguém, que muitas vezes não está “nem aí” para o que ela está dizendo ou pensando. Consegue identificar onde o problema está escondido? Um peixe não precisa provar que sabe nadar, uma vaca não precisa provar que é capaz de produzir leite, mas os seres racionais querem provar justamente o que não são – com exceções, óbvio. Não adianta convencer de que está feliz ou que tem razão o tempo inteiro, porque ninguém é assim. Não adianta esconder fraquezas em aparências fortes, porque ninguém é assim. Pare de tentar convencer os outros sobre você. O que você é vai ser externado naturalmente, e a sua consciência vai confirmar “é isso que você é”.

Falar, fazer e sentir

O que a gente faz também não nos define em absoluto, porque muitas vezes fazemos o que nos dá a aparência do que não somos. Acredito que o falar e o fazer, estão ligados a fatores externos que são reconhecidos quando cumprem seu papel. Já o sentir, além de ser interno, é o que nos revela o que somos de verdade, por isso ouso afirmar que “Nós somos o que sentimos”. O sentir confronta o mostrar, porque ninguém pode tirar um raio-x dos nossos sentimentos e afirmar: “É, realmente ela está apaixonada por você” ou “Verdadeiramente você tem toda razão em tudo o que diz”. Os sentimentos por mais que nos movam externamente através de gestos, palavras e atitudes, e ainda que sejam muito verdadeiros, continuam sendo uma recâmara secreta onde só o proprietário pode visitar, organizar, e decidir o que trazer para fora.

Sucesso em ser

Certo homem, que foi expulso de maneira humilhante do lava-jato onde trabalhava como lavador, resolveu abrir seu próprio empreendimento a fim de rebaixar a marca de seu antigo patrão. Tratou logo de conseguir dinheiro emprestado, e alugou um terreno, mandou cavar um poço, comprou material de construção e contratou ajudantes. Os juros do empréstimo quase o fizeram mendigar para manter os gastos familiares que já haviam. Tirou as filhas do colégio particular, reduziu as compras mensais, começou a ter terríveis insônias, brigava com a esposa feito um cão, mas o lava-jato “Sales Car” crescia a cada dia. O ódio pelo agora concorrente, fazia o homem investir mais e mais em marketing e melhorias no negócio, até café expresso gratuito foi implantado. Isso durou um bom tempo, até que a dívida do empréstimo acabou e as coisas pareciam que iam se estabilizar. Porém, o “Drummond Car”, onde foi humilhado, mudou-se para um bairro nobre da cidade para atender clientes de classe média e alta. O homem, revoltado, fez um novo empréstimo mesmo com o sucesso de seu atual investimento. Porque ele não conseguia enxergar o “sucesso” naquilo. Ele só se convenceria do seu valor quando mostrasse ao antigo patrão abusivo que tinha capacidade de superá-lo. Enquanto isso, o tal de Drummond, não estava “nem aí” para o tal homem. É exatamente isso o que acontece quando vivemos em função de “mostrar” ou nos convencer do que não convenceu.

 No livro O pequeno príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry, o aviador lamenta seu desejo de desenhar quando as pessoas grandes o desanimaram dizendo que aquilo era bobagem. Ele era um desenhista, porque isso o movia com verdade, mas permitiu que aquelas palavras enterrassem seus talentos. Nos dois casos, o lavador e o aviador, apesar de opostos foram movidos por sentimentos enganosos. Não nos cabe julgar, cada um sabe do seu percurso. Mas agora o meu desejo é que possamos refletir sobre o que nos move de verdade. O que mostramos ou o que sentimos?  O que falamos ou o que fazemos?

Cuidado para não perder seu tempo com atitudes que sugam sua energia, e o pior, elas não vão te levar a lugar algum. Sua história, por mais que tenha eventos difíceis nos percursos, não é uma competição. E se você passa a tratá-la como se fosse uma, lamento afirmar a possibilidade de estar correndo sozinho, com seus inimigos imaginários.

(Esse texto é de Marcos de Sá, que nasceu em Fortaleza, em 1986. É escritor de romance contemporâneo, e seus livros de lançamento são “Reciclável – Acomode-se ou Recicle-se” e “O Baú de Shailo”, mas também escreveu um livro infantil intitulado “Rotulândia”, além de crônicas e alguns textos para a coluna Desabafo & Discussões da Revista Entre Poetas e Poesias. Educador social e idealizador de projetos voltados à leitura, como o “Periferia que lê”, “Leitor Book Brasil” e “Prêmio Book Brasil”. Já participou da dramaturgia de peças teatrais como “As 7 farsas da enganação” e “0,45 centavos a peça” dirigidas por renomados diretores como Pedro Gonçalves e Murillo Ramos, respectivamente. Além de atuar nas mesmas, também atuou e cantou em outras como “Labirinto”, “A Farsa da mal amada” e “A decisão”. Estudou teatro e dramaturgia nos anos de 1998, 2017 a 2019. Hoje dedica-se às suas obras literárias e projetos sociais.)

Participe também dessa coluna! Envie o seu texto (de desabafo ou reflexão) para o email lmsn_91@hotmail.com ou entre em contato pelo instagram @luiza.moura.ef. A sua voz precisa ser ouvida! Juntos temos mais força! Um grande abraço e sintam-se desde já acolhidos!

Luiza Moura.

Mostrar mais

Luiza Moura

Luiza Moura de Souza Azevedo é Natural de Feira de Santana- BA, Enfermeira, Especialista em Saúde Pública. Psicanalista e Hipnoterapeuta. Mestranda em Psicologia e Intervenções em Saúde. Compositora e Produtora Fonográfica. Com cursos de Francês e Inglês avançados e Espanhol intermediário. Imortal da Academia de Letras do Brasil/Suíça. Acadêmica do Núcleo de Letras e Artes de Buenos Aires. Membro da Luminescence- Academia Francesa de Artes, letras e Cultura. Membro da Literarte- Associação Internacional de Escritores e Artistas. Doutora Honoris Causa em Literatura pelo Centro Sarmathiano de Altos Estudos Filosóficos e Históricos. Publicou o livro: “A pequena Flor-de-Lis, o Beija-flor e o imenso amarElo”. Instagram: @luiza.moura.ef

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: