Marcelo Motta

INTRODUÇÃO – I

Marcelo Motta

 

INTRODUÇÃO – I

 

     Minha alma conheceu os jardins do Éden, enquanto meu céu estava caindo, mas como não havia nem flores e nem poesias em seus canteiros, ela se viu obrigada a retornar a este mundo cruel e sem sentido.
Nada do que escrevo é realmente meu. Apenas transporto para o papel tudo quanto ouço Deus sussurrar na minha alma.
    “E Deus criou o homem a sua imagem e semelhança”! (Gênesis 1-26:28). Esta frase é bíblica, e, portanto, acreditamos que seja verdadeira. Porém, sob qual ponto de vista? A qual imagem a frase acima faz menção? A imagem física? A imagem espiritual? Ou qual outra?
     A fé que me guia me leva a crer, que somos e fomos concebidos no molde da imagem espiritual do Nosso Pai e que, assim, existamos como seus filhos, mas que não somos os únicos.
Deus não é um ser carnal, pois se fosse, não seria um “Deus Vivo”, e, portanto, estaria morto, contudo,
Ele é energia viva e pulsante que desfila pelo fio do tempo desde antes do existir do mais tênue facho de luz do sol. “De eternidade em eternidade, eu sou Deus. Ninguém há que possa impedir-me de fazer o que faço”. (Isaías 43:13).
       “E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida; e o homem tornou-se alma vivente”. (Gênesis 2:7). Foi a partir deste momento, que finalmente, herdamos de Deus, a alma, eis aqui a Anima Dei, e a alma é e faz parte de tudo quanto nos integra a Consciência da Eternidade, entretanto, é também um grande mistério.

     A alma possui diferentes papéis e várias funções – (afecções). É ela que nos dá consciência do que é certo ou errado, do que é bom ou ruim, do que é do bem ou do mal. É o que torna o homem, moral ou amoral, em relação a tudo que o permeia.
     Existe um grande poder no medo, e quando imaginamos tudo quanto mais tememos, damos abertura para que este medo floresça. Ter medo do desconhecido é algo normal. Afinal o desconhecido é sempre um caminho que nos conduz a um lugar que não sabemos onde é e como é. Céu ou inferno?! Não sabemos para onde vamos e nem como.
     O medo é um dos elementos, se não, o fundamental, portanto, que nos faz humanos, se não tivermos medo, colocamos nossa existência diretamente em rota de suicídio.
Ter medo, sentir medo é uma das características mais comuns e inerentes ao ser humano, em muitas ocasiões é este sentimento que nos mantém vivo diante do futuro a nossa frente.

      Mas voltemos ao assunto, ora abordado… A alma suscita opiniões de todos os naipes.
Desde a aurora do tempo até a era atual, ela vem originando discussões, debates e teses das mais atípicas e ou controversas.                                                                                                                                                   Desde a bruma do existir, já na nebulosa época grega os mais notórios sábios e filósofos já
buscavam dissecá-la a fim de compreendê-la melhor, entre eles posso citar: Aristóteles, Arquimedes, Epicuro, Esopo, Sócrates, Platão, Plutarco, assim bem como poetas da estirpe de Homero e Virgílio, entre tantos outros.
     E pelo fio do tempo vários nomes lentamente somaram-se a estes, como René Descartes, Carl Jung, Kafka, John Alvin, Kant, Freud…
     Pensadores, sábios, filósofos, escritores, teólogos. Líderes e membros das mais diversas correntes religiosas incorreram perenemente neste mesmo tema, a alma, contudo, nenhum deles ao longo de todo esse amalgama de séculos conseguiu definir exatamente a alma no seu todo, fato que nos remete invariavelmente sempre a mesma indagação. Do que é feito realmente a alma? De que material ela foi extraída e tecida? Acredito já ter respondido a esta questão algumas linhas atrás. E qual o tipo de influência ela exerce sobre cada pessoa?
      Cogitar a existência da alma é o mesmo que cogitar se Deus realmente existe. A alma é este ser abstrato, feito um elo da corrente da eternidade, que se une a outro ser, outro elo, (o corpo), estando presa a natureza deste mesmo grilhão, o tempo… Este é seu caminho sua viagem, aonde tudo se faz conectado.

(Continua)…

Extraído do Livro A SEMENTE DO EXISTIR (Capitulo 02 – INTRODUÇÃO)
da autoria de Marcelo Motta.
Protocolo do Requerimento Nº 2018RJ__380 (459 folhas/Páginas).
Dados do requerente: Marcelo Jorge Pires Motta (Autor).
Esta obra foi devidamente registrada pela autoridade competente.
Portador da matricula SIAPE: 2062005 na data de 09 de maio de 2018.

OBS: Estou procurando uma Editora
que possa me oferecer o contrato padrão de dez por cento de capa,
para a realização deste e de outros livros da minha autoria.

 



 

Mostrar mais

Artigos relacionados

2 Comentários

    1. OI, LIGIA. OBRIGADO. SE PUDER, LEIA O TEXTO AO LADO DE FUNDO ROSA; FOI O PRIMEIRO, ESTE É O SEGUNDO. TERÇA E QUINTA-FEIRA TEM MAIS…

Botão Voltar ao topo
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Fechar
Fechar
%d blogueiros gostam disto: